Governo vai contratar mais de mil brigadistas. Veja como participar do processo seletivo


Profissionais vão atuar na prevenção e combate ao fogo (Foto: Fernando Tatagiba/ICMBio)

Como parte da preparação para a temporada de incêndios florestais, que geralmente começa no meio do ano, o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), autarquia vinculada ao Ministério do Meio Ambiente (MMA), acaba de lançar 98 editais para a contratação de brigadistas.

Ao todo, serão contratados 1.169 brigadistas por períodos que variam de 6 meses a dois anos. As vagas são para 88 unidades de conservação (UCs) distribuídas por diversos estados da federação. Clique aqui para ter acesso aos editais de seleção.

No total, o ICMBio vai destinar R$ 18 milhões para as contratações, fora o que já foi investido na aquisição de equipamentos de proteção individual (bombas costais, motobombas, mangueiras e turbossopros) de combate a incêndios florestais.

A seleção será feita em duas etapas: a primeira consistirá numa avaliação física e habilidades do candidato com o uso de ferramentas agrícolas e terá caráter eliminatório; na segunda, será ministrado um curso de 40 horas para os pretendentes às vagas de chefe de esquadrão e de brigadistas e determinará a classificação final dos participantes.

O teste de aptidão física (TAF) prevê caminhada com a bomba costal e tem o objetivo de avaliar a resistência muscular, aeróbica e capacidade cardiorrespiratória do participante. O candidato deve percorrer distância de 2,4 km com a bomba costal cheia d’água, pesando cerca de 20 quilos em, no máximo, 30 minutos. Quem não cumprir esse tempo será desclassificado automaticamente.

Já o teste de uso de ferramentas (THUFA) avalia o uso da enxada, para capinar e rastelar uma área de 3×5 metros em, no máximo, 20 minutos, sendo avaliados a qualidade da capina e a obediência aos critérios de lançamento do material.

Nova Lei

A contratação dos brigadistas será feita com base na Lei 13.668, de 28 de maio de 2018, que define novas regras para a aplicação de recursos da compensação ambiental. Entre outras coisas, a lei prevê o recrutamento de pessoal para emergências ambientais no ICMBio e Ibama. Além de ampliar a duração dos contratos, elai diversificou as atividades a serem exercidas.

De acordo com a nova regra, podem ser contratadas pessoas para atividades de prevenção, controle e combate de incêndios; apoio em ações de conservação, manejo e pesquisa de espécies ameaçadas; apoio a projetos de preservação, uso sustentável, proteção e apoio operacional à gestão de unidades; apoio à identificação à demarcação e consolidação territorial; e apoio às ações de uso sustentável.

O tempo de duração dos contratos de brigadistas passa de 6 meses para 2 anos, prorrogável por mais um ano. Desse modo, com um período mais longo de trabalho, os brigadistas poderão desenvolver atividades de combate aos incêndios florestais por mais tempo e reforçar as medidas de prevenção nos períodos que antecedem a temporada de fogo.

No geral, a nova regra atualizou dispositivo da antiga Lei nº 7.957, de 1989, e fortaleceu a gestão das unidades de conservação federais, ao contribuir para a geração de emprego e renda e ao dar prioridade à contratação de pessoas da comunidade que vivem perto das UCs.

 

por Ministério do Meio Ambiente

Anterior CEMI uma estrutura abaixo do nível da rua
Próximo Projeto define usos prioritários das águas da transposição do rio São Francisco

Sem Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *