Cartão Criança Alagoana disponibilizará R$ 100,00 às famílias que vivem em extrema pobreza


Projeto será analisado pelos deputados na Assembleia Legislativa (Foto: ALE/AL)

O Governo do Estado encaminhou ao Poder Legislativo, um projeto de lei que altera a redação do art. 3º da Lei Estadual nº 7.965, de 9 de janeiro de 2018, que institui o Programa Criança Alagoana (Cria), e dá outras providências. A matéria que será analisada pelos deputados, dispõe sobre a implementação de um novo programa, que será realizado por meio do auxílio financeiro destinado ao desenvolvimento infantil de crianças que vivem em extrema pobreza, com o pagamento do valor de R$ 100,00 às suas famílias, através do Cartão Criança Alagoana.

O governador Renan Filho explica, através de mensagem enviada junto com o projeto ao Legislativo, que o “cartão será de fácil utilização, podendo seus recursos serem sacados, o que gera autonomia às famílias na compra e escolhas dos itens que realmente necessitam, ajudando ainda no fortalecimento do comércio local dos 102 municípios alagoanos parceiros deste programa que terão suas famílias beneficiadas”.

O programa Cria tem como público alvo as famílias com gestantes e crianças de 0 (zero) a 6 (seis) anos, em situação de vulnerabilidade e risco pessoal e social; e gestantes, nutrizes e crianças de 6 (seis) aos 24 (vinte e quatro) meses em desnutrição e insegurança alimentar, nutricional e vulnerabilidade social.

As principais ações para alcançar os objetivos do programa Cria são: apoiar os municípios que realizem visitas domiciliares periódicas, por profissional capacitado, promovendo ações complementares que apóiem gestantes e famílias e favoreçam o desenvolvimento da criança na primeira infância; e apoiar os municípios que realizem visitas domiciliares periódicas, por profissional capacitado, promovendo ações complementares que apóiem gestantes e famílias e favoreçam o desenvolvimento da criança na primeira infância.

Ainda são objetivos do programa Cria: promover de ações de divulgação e sensibilização junto à sociedade e ao poder público, apoiando estratégias de ampliação dos conhecimentos sobre a primeira infância e de priorização desta etapa da vida nas políticas públicas; e atuar no fortalecimento da segurança alimentar e nutricional de gestantes e crianças em situação de vulnerabilidade social e desnutrição, articulando-se com os programas governamentais e não governamentais; entre outros.

Anterior Governo lançará campanha para aumentar atração de turistas da América do Sul
Próximo Brasil se prepara para implantação do Sistema de Alerta Rápido Sobre Drogas

Sem Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *